quarta-feira, agosto 03, 2016

o meu primo Texas Jack

o meu primo Texas Jack (vou-lhe chamar assim que era assim que o meu pai lhe chamava quando ele vinha com estilo a mais) era o meu primo mais velho. foi bancario e reformou-se cedo porque ele tinha juizo. não é para ficarem tristes os meus outros primos que os amo de igual, mas este era de longe o mais fixe de nos todos. nos anos 90 vinha de almada de tempos a tempos, com rebook pumps, skinny jeans e blusões de penas CKL para a neve, ou de camisas brancas largas e óculos de sol a ouvir stone roses no verão. quando eu tinha 13 anos apareceu-me com um cd de primal scream, quando eu so queria era os technotronic, e outro de sound garden para o meu irmão que tinha 10 anos. num natal deu-nos uma master system e noutro deu-nos uma mega drive. morreu, desconfiamos, dois ou três dias depois de portugal ganhar o europeu. tinha 52 anos. o meu primeiro dia de ferias na costa da caparica foi virado do avesso assim – filhos, m’as noticias… – então?! – o Texas Jack foi encontrado morto no apartamento dele ha oito dias. ele costumava ficar na casa dos pais dele. os meus tios tinham-se mudado ha uns anos largos para Alcaria, ali entre o fundao e a covilha e a casa deles em almada era melhor que o T0 que ele tinha no 10 andar dum prédio no laranjeiro. era na casa melhor que o Texas Jack ficava sempre que não estava com os pais e com a irma em alcaria. o Texas Jack viveu uma vida cheia de amores e desamores, e preservou, a custa de muitas outras perdas um espirito livre, uma vida de generosidade nos olhos, e um coração que, nos parece, lhe veio a falhar. era provavelmente o gajo da familia que mais jeito tinha para os garotos. mas adiante com a historia. entretanto a casa de almada, no rés-do-chão na avenida central, num daqueles prédios bons para escritórios de advogados e dentistas, teve de levar obras e o Texas Jack mudou-se para o 10 andar do T0 no laranjeiro – foi la que o meu irmão viveu tres anos enquanto esteve no hot club em Lisboa. a casa agora não tinha telefone e ele não tinha telemovel. era normal estar 4 ou 5 dias sem dizer nada a ninguem. escrevia-se com o pai sempre que estava em almada. era um velho habito que tinham: trocavam cartas, as vezes entregues em mao por um ao outro, era um habito. a ultima vez que os meus tios o viram foi por volta da final do europeu. entretanto, soube hoje, que a dona do restaurante onde ele costumava ir em almada o tinha visto pela ultima vez dia 12, e que nesse dia ele tinha levado a mao ao peito como se tivesse com uma dor repentina, reparou ela, ele pagou a conta e saiu. este domingo que passou, ja desesperado demasiado tempo, os meus tios telefonaram para o hospital de almada a perguntar se o Texas Jack tinha dado entrada. e tinha, disseram-lhes que tinha dado entrada, cadaver, que tinha sido encontrado ja ha oito dias em casa por uns homens que tinham ido arranjar o telhado do 10 andar. tinha sido encontrado em casa dia 25 por causa dumas obras no telhado. se ninguém tivesse telefonado, se calhar tinha sido enterrado ou cremado em almada ontem, sem um telefonema ‘a familia. no hospital, apesar de todas as perguntas que um pai e uma mae fazem ao telefone numa altura destas, no hospital não adiantaram mais e remeteram a responsabilidade de informar para a policia, que os mandou telefonar para o hospital de novo, que os remeteu outra vez para a policia em almada. desta vez, atendeu um policia que, mais uma vez, não adiantou nada. o meu tio desesperado, apelou ao policia por telefone que ele não sabia de nada e que estava em muito sofrimento, que não compreendia porque o filho tinha morrido. não sei se por estas palavras mas sei que por esta lógica e com toda a educação e cuidado que lhe conheço: –mas é o meu filho sr xxxxxx. nao sei se o sr. xxxxxx tem filhos, mas por favor… – ao que o policia respondeu: –os meus filhos não sao para aqui chamados não admito que nenhum filho da puta os meta aqui na conversa. – e desligou o telefone na cara do meu tio. so ha dois institutos de medicina legal no pais, pode demorar ate um ano para se saber ao certo como morreu uma pessoa. Nos desconfiamos que foi do coração, do qual se tinha ele se tinha queixado mas cujos os dois recentes electrocardiogramas tinham dado como forte. o meu pai diz que os electrocardiogramas não detectam nada de jeito, a a nao ser que seja uma alteraçao muito grave, que deviam ser abolidos como método de diagnostico principal e que em vez disso deviam ser feitos ecocardiogramas. o Texas Jack ja tinha 52 anos e morreu ha 20 dias. foi enterrado ontem. o meu primo Texas Jack, vai ser sempre o maior. viemos com o corpo dele na A23 ao som de primal scream, soundgarden, zeca afonso, stone roses, pink floyd (foi com ele que os vimos em Lisboa) ate chegar a aldeia onde se encheu a igreja e se celebrou uma missa, onde lhe chamaram servo do senhor entre outras coisas que tenho ca para mim que ele não ia gostar muito, mas como os funerais sao mais para os vivos que para os mortos... bem, moral da historia, tenham la mais atençao, venham mais vezes aqui dar noticias, e façam o favor de avisarem quando morrerem (e como) que isto com a policia e com os hospitais se ja nao se esta para brincadeiras em vivo, menos se esta em morto. e para ti, meu primo, toma la mais um abraço do tamanho do mundo https://www.youtube.com/watch?v=wf73xqZvk6k

mensagens populares